Amor começa 2011

alguém se por favor pode me ajudar corrigir minha gramatica numa tese que fiz?

2020.07.22 00:34 browndusky alguém se por favor pode me ajudar corrigir minha gramatica numa tese que fiz?

não sou português mas português foi umas das disciplinas que escolhi em universidade.
Eu falo bem português mas meu português escrito é totalmente lixo.(sei que não é muito professional com todas as palavras vulgares mas ya isto era eu a usar tudo que eu sei)
obg para me ajuderem!


“Colora minha vida com o caos de problemas” esta é uma linha duma canção de Smith que esta menina usou como uma citação no anuário em um filme sentimental de 2011, eu achei fixe esta citação, e por isso escrevi no meu caderno de rascunho e sonhei um dia alguém vindo pra minha vida e colorir-o com caos de problemas.
Eu sempre senti assim, sempre senti que preciso algo mais, a coisa comigo é que nunca me sinto satisfeito com que tenho.
E como muitos outros da minha idade, tentei preencher o vazio com atenção, drogas, animes e especialmente com o amor.
Eu faço parte daquela geração Nepalesa que assiste “3 idiots” e ouve canções românticas do McFlo e pense que não consegue ser feliz sem se apaixonar. Sabes de quem eu estou a falar sobre, aqueles rapazes que têm um exterior áspero mas no fundo eles têm um lado macio basicamente somos tsundere.
Fds nem fiquei triste depois de terminar com minha ex. Eu fiquei tipo olhe mais uma experiência, da próxima vez que eu estiver a namorar não vou cometer os mesmos erros.
Já terminei 3 vezes mas ainda não me sinto triste porque é fixe ter emoções.
A minha esposa podia me trair, levar metade dos meus bens, meu cão e meu filho Ramesh e eu vou ficar sem teto a pensar WHOA emoções são fixes.
Apaixonamento é uma treta que gente inventaram porque ficaram entediados.
“Colora minha vida com o caos de problemas” mas-mas porquê? Es estúpido?
Porque é que vocês querem alguém para foder a sua vida artisticamente?
Deve ser porque gostamos de altos e baixos do amor. Gostamos da montanha russa de emoções que o amor dá e sentimos vivos.
Amor é como bebidas alcoólicas ou bater punheta. Sentimos bem quando fazemos, mas depois de acabar fazer ou consumir nos arrependemos.
Se vocês não me acreditam, há centenas dos estudos detalhando como euforia do amor provoca a mesma sensação no cérebro como cocaine, seus viciados.
Nenhuma outra espécies faz isso coisinha de apaixonar. Os macacos não estão sentados na cama a pensar se é muito pegajoso mandar mensagem para aquela macaco com cú grande. Os macacos não precisam de pensar qual vestido é melhor para o encontro ou se preocupar com o cheiro, eles só fodem. É incrível, eles poderiam a estar comer banana um momento ou matando insetos e boom começam a foder. Eles não se dão mínimo se alguém está a ver ou tirar fotografias. Nós complicamos demais, porque é que é eu preciso de vestir bem e usar perfume e ela tem que dizer ela não costuma fazer isto.
Apaixonar-se não faz qualquer sentido biologicamente é uma nova emoção humana baseado completamente em egoísmo, ciumento e a insegurança.
Vocês malucos decidiram que amor significa pelo lei ficaremos juntos para sempre e se não o fizermos, leva metade do meu dinheiro. MAS PORQUÊ?
Não sou de coração frio porque acredito que amor é real. É algo que compartilhamos com nossa família, nossos amigos, nossos animais de estimação e com o mundo.
O amor torna-se para uma emoção possessiva especificamente humana quando vocês falam de encontrar aquela menina . “QUANDO OLHEI PARA OLHOS DELAS EU SABIA QUE EU IA PASSAR RESTO DA MINHA VIDA COM ELA”
A serio? Eu acho que há algo mal com tua cabeça mano.
Cair de cabeça totalmente cega numa relação é igual á tu projetar tuas inseguranças em outra pessoa. Não estás feliz com tua vida por isso começas a procurar isso em outra pessoa, e isto é insustentável, irreal e perigoso. Talvez não tens amigos, não gostas do teu trabalho, não gostas de ti mesmo ou talvez a tua mãe não te abraçou suficiente quando eras criança. E agora quando encontras uma gaja fixe que ri das tuas piadas, tu agarras nela como uma sanguessuga e tornas-te uma psicopata se ela até olha para alguém.
Isto é porque o amor é tão viciante quanto uma droga, os únicos dois tipos de pessoas que cortaria seus pneus e ameaçaria suicídio é uma viciante de drogas e uma puta louca chamada Verónica(karen).
Mas talvez eu sou sozinho e amargo porque tentei me se apaixonar mas nunca funcionou para mim.
Eu tenho certeza que acontece isto com toda gente.
Achas que gostas uma gaja mas depois de bater a punheta já não é o caso. Percebes que não estavas a pensar com a cabeça certa(é chamado post nut syndrome em ingles).
Agora estou no ponto em que estou aberto à idéia de amor, mas eu não consigo manter conversas com minas da minha idade, elas parecem a viver a vida em Instagram e acho que isto é um chatice. Como vocês não se cansam de usar o instagram depois de uma semana ou um mês? È realmente incrível.
Quando estão a falar de maquiagem, roupas e exes, pá não dou mínimo, a sério não dou mínimo.
Eu percebo que quando falo que não dou mínimo, estou a ser ignorante porque as pessoas se apaixonam alegremente e isso faz eles felizes, pá sou quero o mesmo sentimento, embora que eu saiba que o amor é basicamente cocaine para minha coração.
Eu acho que estou apenas amarga a ver todas essas pessoas juntos alegremente a fazer promessas que provavelmente não vão manter. Parece divertido não parece?
Romance é uma venda fácil. Todos nós gostamos quando o protagonista acaba junto com a menina e ambos ficam felizes para sempre. Gostamos de ver o final feliz. Gostamos de acreditar em "felizes para sempre".
Mas o amor romântico e o amor em geral é muito mais complicado do que fomos levados a acreditar nos filmes de Hollywood.
Não ouvimos que o amor às vezes seja desagradável ou até doloroso, ou que o amor precisa autodisciplina e uma certa quantidade de esforço sustentado ao longo de anos, décadas e uma vida inteira. Essas verdades não são emocionantes. Nem eles vendem bem. A dolorosa verdade do amor é que o verdadeiro trabalho de um relacionamento começa depois que a cortina se fecha e os créditos rolam.
Como a maioria das coisas na mídia, o retrato do amor na cultura pop é limitado ao destaque. Todas as complexidades da vida real em um relacionamento são varridas para dar lugar a títulos emocionantes, a separação injusta e, claro, o final feliz favorito de todos.
Quando somos apaixonados, não podemos imaginar que algo possa dar errado entre nós e nosso parceiro. Não conseguimos ver falhas delas , tudo o que vemos é potencial e possibilidade ilimitados.
Isto não é amor. Isso claramente é uma ilusão. E, como a maioria das ilusões, as coisas não terminam bem.
Eu acho que eu gosto de ideia de amor mas não tenho paciência nem quero comprometer minha liberdade para ela. Eu gosto quando estou o centro da atenção e não gosto quando sou eu que precisa de dar atenção. Sempre que estive num relacionamento a princípio, fico empolgado; mas depois de algum tempo, perco toda a paciência e a interessa.
Eu gosto de ideia de amor e é basicamente que este filme 500 days of summer satirizou.
Eu gosto como este filme criticou o conceito de amor.
A personagem principal decidiu que a menina Summer era sua alma gémea, porque eles ambos gostam da mesma música. Ele cresceu vendo filmes românticos com um fim clássico. E por isso ele pintou uma imagem na cabeça que a Summer era criada para ficar junto com ele mas não é realmente o caso no fim deste filme. O amor verdadeiro precisa de paciência, compromisso e atenção e isto parece búe complicado pá. Em vez disso eu prefiro ver porno e bater a punheta.
submitted by browndusky to portugueses [link] [comments]


2018.06.25 13:39 ForcadoUALG Opinião de um sportinguista - cansado, mas sportinguista

Ponto introdutório e peço desde já desculpa pela wall of text: Fui apoiante de Bruno de Carvalho em 2011, em 2013, em 2017. Vi-o sempre como a verdadeira alternativa para lutar contra o sistema instaurado no Sporting por José Roquette, na década de 90, e que permitiu quase 2 décadas de um clube mergulhado num grave problema de personalidade, de finanças e de competitividade que se estende a todas as modalidades, e aos próprios adeptos do clube. O dia 24 de Março de 2013 continuará para sempre na minha memória como o dia em que rompemos com a dita “croquetagem”, e que o Sporting voltou a ser nosso.
O perfil
Desde o dia em que se apresentou como candidato às eleições de 2011, que se podia ver o tipo de homem que era Bruno de Carvalho. Alguém que não era movido pelos interesses bancários e financeiros, que tinha uma verdadeira paixão em comum com todos os simpatizantes e associados, focado em romper com o negro passado do clube. Alguém com a missão de aproximar, não o Sporting dos sócios, mas sim aproximar os sócios do Sporting, não afastá-los e governar à revelia da vontade soberana de quem verdadeiramente decide os destinos do clube.
Um homem que já tinha estado ligado ao Sporting, por via das modalidades (em particular, o hoquéi em patins), que já tinha pertencido a um dos grupos organizados de adeptos – vulgo, claques –, e que tinha uma vontade insaciável de servir o seu grande amor. Alguém que se iria rodear de pessoas competentes, com conhecimento do clube e do futebol português, para voltar a colocar o Sporting no seu lugar por direito.
O discurso
Desde cedo se percebeu que Bruno de Carvalho não era um candidato “normal”. O tipo de vocabulário usado, o foco do discurso, era sempre o completo oposto dos demais candidatos. Ruptura total com o passado, devolver o clube aos sócios, voltar a ser o grande Sporting em todas as modalidades, avançar para a construção do pavilhão. Enquanto outros se focavam meramente no espectro financeiro e na preocupação com a SAD não ser suficiente rentável para o clube ter participação na mesma, Bruno de Carvalho tinha no seu horizonte um projecto mais ambicioso, e não se poupou nas críticas e num discurso inflamado para tentar eliminar os candidatos que se queriam aproveitar do clube.
No entanto, traria ainda novos elementos para a mesa, aquando da sua eleição em 2013, vencendo de forma relativamente clara José Couceiro e Carlos Severino: as redes sociais e o foco destemido na imprensa nacional. Bruno de Carvalho nunca se coibiu de utilizar o Facebook para fazer todo e qualquer comentário, seja sobre o clube, seja sobre terceiros. Um grau de exposição que, se por um lado pode ser utilizado em seu favor, para se aproximar da massa adepta, incorre num perigo demoníaco, que é o da interpretação do que diz, do “outro lado” do ecrã.
A história de fa(c)to
Tudo começou a ser mais claro na época em que Marco Silva chega para ser treinador do clube – pouca foi a participação de Bruno de Carvalho no “reinado” de Leonardo Jardim. Aquando de algumas críticas de que começou a ser alvo nessa rede social, ameaçou processar sócios do clube, pois não tinham o direito de o fazer. Depois de uma derrota humilhante em Guimarães por parte da equipa principal, e de uma derrota por 5-0 da equipa B perante o Atlético, utilizou a rede social para acusar os jogadores de falta de dignidade e de honra para com a camisola do clube. Esta publicação foi o primeiro acto de “dinamite interna”, pois começaram a ser levantadas suspeitas das verdadeiras intenções de Marco Silva enquanto treinador – muitas destas suspeitas apresentadas por parte de José Eduardo.
A situação ficou de tal forma inflamada, que ditou a saída do técnico no final da época, após vencer a Taça de Portugal, frente ao Sporting de Braga, numa decisão que, apesar de ser compreensível para uma boa falange de adeptos, não foi a mais correta na sua forma – via um processo disciplinar, pois não aceitou sair “a bem”, e sendo invocada uma justa causa em que, entre outros itens, acusa o treinador de passar informações para a comunicação social, e de faltar diversas vezes ao respeito ao Conselho Directivo do clube.
A fase de um Jesus pouco Cristo
Qual não foi o espanto dos sportinguistas, e de todo o futebol português, quando foi anunciado que Jorge Jesus tinha chegado a acordo para ser o treinador do Sporting, após conquistar o bi-campeonato pelo Benfica. No primeiro ano do técnico em Alvalade, foi ele a ter uma grande parte do protagonismo em termos de discurso (apesar de alguns episódios recorrentes de Bruno de Carvalho, como caso de Mr. Burns – vulgo, João Gabriel, ex-diretor de comunicação do Benfica -, e os ataques constantes a Benfica e Porto), com as míticas declarações do “Ferrari” e de que o Benfica não tinha treinador – algo que, até hoje, ainda se discute como sendo um dos catalisadores para o título encarnado. Parecia que Bruno de Carvalho tinha, finalmente, encontrado um treinador com quem alinhar o discurso mais externo do que interno.
No final da época de 2016/2017, que se revelou um fracasso, e já depois de Bruno de Carvalho ter novamente sido o centro das atenções, depois de ter ido ao balneário pedir explicações aos jogadores, depois de uma derrota em Chaves – que culminou com William e Adrien a falarem para a SportingTV, com um apelo à união dos sportinguistas em prol do objectivo comum -, o presidente comunicou que iria abandonar o Facebook, por não tolerar o ultrapassar de fronteiras em algumas das críticas apontadas a ele, e a bipolaridade dos adeptos, bem como a sua falta de exigência diária.
A terceira época de Jesus antevia-se como o “do or die” de todo um projecto. Se a primeira metade da época foi relativamente tranquila, com o clube a passar à fase de grupos da Liga dos Campeões, a ter uma prestação positiva no campeonato e nas restantes competições internas, a segunda metade foi o ponto de partida para o momento que o clube vive, atualmente.
O declínio anunciado
No início do ano de 2018, foi convocada uma Assembleia Geral, com o objectivo de votar alterações estatutárias e regulamentares, que confeririam maior poder ao Conselho Directivo e ao Conselho Fiscal e Disciplinar do clube – entre outros, o poder de levar a cabo uma medida de sanção aos elementos dentro do clube que possam transmitir opiniões discordantes daquela que é transmitida pelos órgãos sociais. Uma assembleia que, segundo os relatórios apresentados, terminou com os órgãos sociais a abandonar a mesma, depois de algumas críticas dirigidas principalmente a Bruno de Carvalho.
Visto ter sido inconclusiva a Assembleia, foi marcado nova concentração dos sócios para o dia 17 de Fevereiro com o objectivo de, não só votar as alterações estatutárias e regulamentares, mas também votar a continuidade dos órgãos sociais em actividade – sendo que a missiva apresentada por Bruno de Carvalho foi, parafraseando, “se não tivermos uma votação similar à das eleições do ano passado, os órgãos sociais demitir-se-ão em bloco”. Em jeito de pequeno ultimato, Bruno de Carvalho voltou a colocar nos sportinguistas a ideia de que, ou lhe davam o que queria, ou abandonava o clube.
Mas a situação extremou-se de uma forma clara e cabal após a derrota em Madrid, por 2-0. Bruno de Carvalho, poucas horas após o apito final, dirigiu-se ao Facebook para criticar o desempenho dos jogadores, inclusive questionando o profissionalismo deles – em particular de Bas Dost e Fábio Coentrão, alegando que foram sancionados propositadamente para não jogar a 2ª mão -, ou a explicar a Gelson Martins como devia ter feito um remate aos 32 minutos. Este post provocou um chorrilho de críticas por parte da opinião pública, sendo que no dia a seguir, os jogadores recorreram às redes sociais para mostrar a sua insatisfação pelas palavras proveridas pelo líder máximo.
A medida de Bruno de Carvalho foi, surpeendentemente, suspender todos os jogadores que partilharam a dita mensagem. Numa reunião no dia 7 de Abril, esta suspensão foi levantada, depois de uma reunião entre jogadores, equipa técnica e órgãos sociais, mas desde esta altura que o clima no clube, inclusive entre adeptos e sócios, se tornou cada vez mais crispado.
A semana mais negra da história do Sporting
O campeonato viria a terminar com uma pesada derrota – não nos números, mas pelo seu significado – nos Barreiros, frente ao Marítimo, que impediu o clube de se apurar para a 3ª pré-eliminatória da Liga dos Campeões. Houve lugar, no final, a insultos, palavras menos simpáticas, e estiveram perto de ocorrer agressões entre jogadores e adeptos no aeroporto do Funchal. Nada faria prever, contudo, que no dia 15 de Maio, um raide de 50 indivíduos encapuzados entrassem no complexo da Academia de Alcochete, com o objectivo de agredir jogadores e equipa técnica. O dia mais negro da história do Sporting, e um dos mais negros da história do futebol português. E aqui começa um turn of events que colocaria Bruno de Carvalho na posição mais frágil, em 5 anos de presidência.
O discurso que teve no dia do incidente foi, passo a expressão, curto para alguém com a sua responsabilidade. Bem sei que a comunicação social gosta de extrapolar determinados excertos, e colocá-los fora do seu contexto, mas a linguagem corporal e aparente apatia perante o cenário dantesco que se verificou em Alcochete, não deixa ninguém indiferente, quando se pedia uma afirmação firme do crime cometido, um expresso pedido de desculpas a todos os afectados, e a tomada de medidas imediatas contra aqueles que injuriaram o bom nome do Sporting Clube de Portugal.
A partir daqui, instalou-se o caos no clube. A derrota na final da Taça de Portugal, as rescisões unilaterais de contrato por parte de alguns jogadores, o risco de perder a liquidez necessária para cumprir com as obrigações financeiras perante os accionistas e perante os compromissos diários do clube, o cenário de uma assembleia geral destitutiva marcada por Jaime Marta Soares, demissionário presidente da Mesa da Assembleia Geral, a eleição de uma Comissão Transitória que não se coaduna com o que está presente nos estatutos do clube, e a suspensão do Conselho Directivo.
O dia em que os sócios falaram
Todos estes episódios e acontecimentos levaram ao ocorrido no passado Sábado, dia 23 de Junho. Uma participação em massa por parte dos sócios (quase 15 mil estiveram no Altice Arena), para votar a favor ou contra a destituição do Conselho Directivo presidido por Bruno de Carvalho. Sendo certo que, se tivermos em conta as intervenções que tiveram lugar no palanque, o apoio ao presidente parecia notório, pairava uma incerteza no ar, e que poderia mesmo ser real a possibilidade de os sócios votarem a sua destituição. E assim aconteceu, de forma clara, com 71% dos votos a favor da destituição (representando cerca de 10 mil dos quase 15 mil sócios presentes). Uma resposta afirmativa e democrática da vontade dos sócios em terminar o ciclo iniciado em 2013 pela actual direção. Uma derrota que, no fundo do seu ser, Bruno de Carvalho deveria ter aceite e mover esforços para, por exemplo, fazer parte da oposição, ou mesmo apoiar uma futura lista candidata à presidência.
No entanto, aquilo que se verificou ontem, foi um dos casos mais caricatos e arrisco dizer vergonhosos por parte de um ainda dirigente do Sporting. Às 6h da manhã, Bruno de Carvalho anunciava, no seu Facebook, que deixaria de ser sócio e adepto do Sporting – sendo que apresentaria a carta de suspensão vitalícia de sócio esta segunda-feira -, para além de visar diretamente os sócios que votaram contra ele, chamando-lhes de “tristes e fracos de espírito”, e dizendo que a votação foi forjada e não representa a realidade – chegando ao ponto de criticar abertamente elementos como Eduardo Barroso, Daniel Sampaio ou José Eduardo, que sempre estiveram ao seu lado, e foram força determinante para que chegasse a presidente do clube.
Mais eis que viria o volte-face, algumas horas depois, após a conferência de imprensa da Comissão de Gestão do clube, encabeçada por Artur Torres Pereira, em que foi comunicado que José Sousa Cintra (apelidado de “homem do tremoço” por Bruno de Carvalho) seria o representante do Sporting na SAD, até às eleições de 8 de Setembro. Um volte-face que representa claramente o estado de quase loucura em que se apresenta, neste momento. A dificuldade em aceitar a derrota, em aceitar que os sócios votaram por um futuro em que ele não esteja presente e em aceitar que, de certa forma, foi ele que provocou a sua própria derrota. Os sócios do clube que ele apelida agora de “Campo Grande Futebol Club” votaram a sua destituição, e entristece-me que ele tenha chegado a este ponto, depois de o ter apoiado inúmeras vezes.
Há coisas na vida que tenho dificuldade em suportar. Vira-casacas são uma delas, principalmente quando um destes vira-casacas é o presidente do clube que cresci a amar e a apoiar em toda e qualquer circunstância. Este já não é o presidente que escolhi para o clube em 2011, em 2013 e que não escolhi em 2017 porque a minha situação de sócio estava irregular. O Sporting precisa de estabilidade e equilíbrio, e não é com este Bruno de Carvalho que a vai alcançar.
E aproveito para deixar a todos o repto: se têm medo de que o nosso clube volte para as mãos dos croquetes, dos roquetes e de todos esses acabados em “etes”, a solução é simples. Não abandonem o clube, como o presidente da SAD estava disposto a fazer, quando se viu perante uma derrota e afirmação claras por parte dos sócios. O Sporting somos todos nós, e tenho em mim a confiança de que, num universo de dezenas de milhares de associados, haverá mais do que um Bruno de Carvalho disposto a navegar-nos num bom rumo – tanto pelo bom conteúdo, como pela boa forma.
Um bem-haja a todos, e viva o Sporting Clube de Portugal!
submitted by ForcadoUALG to SportingCP [link] [comments]


2018.06.18 15:48 Alpha_Unicorn Lista com todos os livros propostos no final dos livros do D&D "Leitura Inspirada", com preços e links para a Amazon

Eu fiz uma lista com links para a Amazon de todos os livros propostos na Leitura Inspirada, dei preferência para as edições em português e impressas; tem alguns valores bem altos ai mas se você preferir comprar eBook provavelmente os encontrará em valores mais acessíveis.
Só pesquisei na Amazon Brasileira, e se tiver algum título em inglês que tenha versão em português, compartilhe com a gente =D
Resolvi botar a sinopse dos livros que tem versão em português para deixá-los em maior destaque
(Os valores dos livros são referentes ao mês de Junho de 2018)
  1. Throne of the Crescent Moon (The Crescent Moon Kingdoms) por Saladin Ahmed R$ 58,92
  2. The Book of Three por Lloyd Alexander R$ 32,33
  3. The Broken Sword por Poul Anderson - R$ 49,48 - The High Crusade - R$ 46,45 - Three Hearts and Three Lions - R$ 32,92
  4. Split Infinity (Apprentice Adept) por Piers Anthony - R$ 31,44 - e o resto da série Apprentice Adept
  5. Gods and Fighting Men por Lady Augusta Gregory - R$ 48,79
  6. Range of Ghosts (The Eternal Sky) por Elizabeth Bear - R$ 61,91
  7. The Face in the Frost por John Bellairs R$ 41,16 (eBook)
  8. BEST OF LEIGH BRACKETT por Leigh Brackett Indisponível - The Long Tomorrow - R$ 65,10 - The Sword Of Rhiannon - R$ Indisponível
  9. A Espada de Shannara. Trilogia a Espada de Shannara por Terry Brooks - R$ 37,00 - e o resto da trilogia
    Há muito tempo as Grandes Guerras do Passado arruinaram o mundo. Vivendo no pacífico Vale Sombrio, o meio-elfo Shea Ohmsford pouco sabe sobre esses conflitos. Mas o Lorde Feiticeiro, que todos julgavam morto, planeja regressar e destruir o mundo para sempre. A única arma capaz de deter esse poder da escuridão é a Espada de Shannara, que pode ser usada somente por um herdeiro legítimo de Shannara. Shea é o último dessa linhagem e é sobre ele que repousam as esperanças de todas as raças. Por isso, quando um aterrorizante Portador da Caveira a serviço do mal voa até o Vale Sombrio, Shea sabe que começará a maior aventura da sua vida.
  10. Hall of Mirrors por Brown Fredric - R$ 24,76 eBook - What Mad Universe - R$ 9,59 eBook
  11. O livro de ouro da mitologia: Histórias de deuses e heróis por Thomas Bulfinch (Autor),‎ David Jardim (Tradutor) - R$ 19,30 - Em inglês - R$ 51,69
    Altares ruíram e templos se perderam nas areias do tempo, mas as religiões da Grécia e da Roma Antigas nunca despareceram por completo. Seu legado de mitos e heróis continua presente até hoje, e é o pilar da cultura ocidental. As histórias passadas de geração a geração há milênios, que hoje são peças-chave das mais populares e consagradas obras de diversas formas de arte estão reunidas aqui, sob as bênçãos de Zeus. As mais cativantes narrativas que a mente humana já criou transportam o leitor para terras onde fatos incríveis acontecem - onde belas ninfas e corajosos heróis veem seus destinos nas mãos de caprichosos deuses e criaturas fantásticas ganham vida.
  12. Uma Princesa de Marte por Edgar Rice Burroughs (Autor) - R$ 27,90 - Em inglês - R$ 19,80 - e o resto da série Mars
    Um século após sua publicação, Uma Princesa de Marte recebe sua primeira versão brasileira do texto original que inspirou o filme John Carter, dos estúdios Disney. O capitão John Carter, combatente do exército confederado, tenta recomeçar sua vida após perder tudo o que possuia com o fim da Guerra Civil Americana. Ele só não poderia imaginar que seu caminho o levaria a terras desconhecidas em outro planeta. Apesar da aparência inóspita, Marte é repleto de vida, com uma flora peculiar e fauna diversificada, habitada por estranhas raças constantemente em guerra umas com as outras. Capturado pelos temíveis tharks, John Carter luta por sua liberdade e busca conquistar o amor de Dejah Thoris, princesa de Helium. Numa jornada repleta de contratempos, ele se envolve em disputas entre as diversas tribos de Barsoom – como o planeta é chamado por seus habitantes –, fazendo poderosos inimigos e ganhando a confiança de importantes aliados. Em seus romances barsoomianos, do qual Uma Princesa de Marte é o primeiro livro, seguido por Os Deuses de Marte e O Comandante de Marte, Burroughs criou um herói marcante, uma cultura vasta e rica.
  13. At the Earth's Core por Edgar Rice Burroughs (Autor) - R$ 21,05 - e o resto da série Pellucidar
  14. Pirates of Venus por Edgar Rice Burroughs (Autor) - R$ 43,81 e o resto da série Venus
  15. Lin Carter - The Warrior of World’s End - R$ 78,81 - e o resto da saga World’s End
  16. GlenCook - A Companhia Negra - R$ 26,91 - Inglês - R$ 25,64 - e o resto da saga Black Company
  17. The Fallible Fiend por L. Sprague De Camp - Indisponível
  18. The Compleat Enchanter - por L. Sprague deCamp (Autor),‎ Fletcher Pratt (Autor) - Indisponível - e o resto da série Harold Shea, e Carnelian Cube
  19. The Watchers Out of Time: Fifteen soul-chilling tales: Fifteen soul-chilling tales by eBook Kindle por H.P. Lovecraft (Autor),‎ August Derleth (Autor) - R$ 55,41
  20. Contos Maravilhosos - Lord Dusaney R$ 32,40 - e outros livros deste autor
    “A leitura dos textos fundamentais do passado nos permite rever os caminhos trilhados pelo gênero e recompor nossa visão do que ele é ou pode vir a ser. O contato com a prosa elaborada de Dunsany e de outros nomes do passado nos ajuda igualmente a somar ferramentas estilísticas aos recursos disponíveis para a escrita de fantasia no Brasil'. Roberto de Sousa Causo.
  21. The Maker of Universes (World of Tiers) por Philip Jose Farmer (Autor) - R$ 15,13 eBook
  22. Kothar: Barbarian Swordsman book #1: Revised (Sword & Sorcery) (English Edition) - R$ 10,07 eBook - e o resto da série Kothar e a série Kyrik
  23. Brian Froud's Faeries' Tales por Wendy Froud (Autor),‎ Brian Froud (Autor) - R$ 89,25
  24. Tempo Dos Gemeos. Lendas De Dragonlance - Volume 1- por TracyWeis, Margaret Hickman (Autor) - R$ 45,00 Inglês R$ 24,64 - e o resto da série Dragonlance
    Isolado na escuridão da Torre de Alta Magia em Palanthas, cercado por inomináveis criaturas do mal, Raistlin Majere traça um plano para conquistar as trevas - e se transformar em seu senhor absoluto. Crisânia, uma linda e devota clériga de Paladine, tenta usar sua fé para afastar Raistlin das trevas. Ela desconhece os desígnios sombrios do mago, e aos poucos ele a atrai para a sua armadilha cuidadosamente preparada.
  25. The Night Land por William Hope Hodgson (Autor) - R$ 33,85
  26. Conan, o Bárbaro - Livro 1 por Robert E. Howard (Autor),‎ Mark Schultz (Ilustrador),‎ Gary Gianni (Ilustrador),‎ Alexandre Callari (Tradutor) - R$ 35,90 - e o resto da série Conan
    Conan, o Bárbaro, é a obra máxima do escritor Robert E. Howard, um dos mais celebrados novelistas de sua geração, criador do gênero Espada & Feitiçaria, e principal inspiração para autores de renome indiscutível, como J. R. Tolkien, George Martin e Michael Moorcock. Dividida em três volumes, a saga apresentará na íntegra todas as aventuras de Conan seguindo a ordem em que foram publicadas originalmente
  27. The Inheritance Trilogy por N. K. Jemisin (Autor) - R$ 61,25
  28. O Olho do Mundo - Livro 1. A roda do tempo - Robert Jordan - R$ 35,80 - e o resto da série Wheel of Time
    Um dia houve uma guerra tão definitiva que rompeu o mundo, e no girar da Roda do Tempo o que ficou na memória dos homens virou esteio das lendas. Como a que diz que, quando as forças tenebrosas se reerguerem, o poder de combatê-las renascerá em um único homem, o Dragão, que trará de volta a guerra e, de novo, tudo se fragmentará. Nesse cenário em que trevas e redenção são igualmente temidas, vive Rand al’Thor, um jovem de uma vila pacata na região dos Dois Rios. É a época dos festejos de final de inverno — o mais rigoroso das últimas décadas —, e mesmo na agitação que antecipa o festival, chama a atenção a chegada de uma misteriosa forasteira. Quando a vila é invadida por bestas que para a maioria dos homens pertenciam apenas ao universo das lendas, a mulher não só ajuda Rand e seus amigos a escapar dali, como os conduz àquela que será a maior de todas as jornadas. A desconhecida é uma Aes Sedai, artífice do poder que move a Roda do Tempo, e acredita que Rand seja o profético Dragão Renascido — aquele que poderá salvar ou destruir o mundo. “Com A Roda do Tempo Jordan conquista o mundo que Tolkien difundiu.” The New York Times
  29. Tigana - Guy Gavriel Kay - R$ 17,50
    Tigana é uma encantadora obra de mito e magia que vai marcar os leitores para sempre. É a história de uma nação oprimida que luta para se libertar depois de cair nas mãos de conquistadores implacáveis. O povo foi tão amaldiçoado pela feitiçaria do Rei Brandin que o próprio nome da sua bela terra não pode ser lembrado ou pronunciado. Mas anos após a devastação de sua capital, um pequeno grupo de sobreviventes, liderado pelo Príncipe Alessan, inicia uma cruzada perigosa para destronar os reis despóticos que governam a Península da Palma, numa tentativa de recuperar o nome banido: Tigana. Num mundo ricamente detalhado, onde impera a violência das paixões, um povo determinado luta para alcançar seus sonhos. Tigana é um épico sublime que mudou para sempre as fronteiras da fantasia.
  30. Os Olhos do Dragão - Stephen King - R$ 23,50
    O livro conta a história de um reino chamado Delain onde viviam Sua Majestade, Rolando, a rainha Sacha e seus filhos, Pedro e Tomas. Apesar de ser esforçado, Rolando não tinha carisma e era considerado um rei medíocre. Quem contava com a simpatia e o respeito do povo era a rainha. Essa admiração alimentava o ódio de um perigoso inimigo - Flagg, o feiticeiro, um influente conselheiro nas decisões reais.
  31. Hiero's Journey (English Edition) por Sterling Lanier - eBook R$ 24,99
  32. The Unforsaken Hiero (English Edition) por Sterling Lanier eBook - R$ 20,83
  33. O feiticeiro de Terramar (Ciclo Terramar Livro 1) por Ursula K. Le Guin (Autor) - R$ 20,90 - e o resto da série Terramar
    Há quem diga que o feiticeiro mais poderoso de todos os tempos é um homem chamado Gavião. Este livro narra as aventuras de Ged, o menino que um dia se tornará essa lenda. Ainda pequeno, o pastor órfão de mãe descobriu seus poderes e foi para uma escola de magos. Porém, deslumbrado com tudo o que a magia podia lhe proporcionar, Ged foi logo dominado pelo orgulho e a impaciência e, sem querer, libertou um grande mal, um monstro assustador que o levou a uma cruzada mortal pelos mares solitários.
  34. Swords and Deviltry (Fafhrd and the Gray Mouser) por Fritz Leiber - eBook R$ 12.90 - e o resto da série Fafhrd
  35. H.P. Lovecraft - TUDO - R$
  36. As Mentiras de Locke Lamora (Nobres Vigaristas Livro 1) por Scott Lynch (Autor) - R$ 39,90
    O Espinho é uma figura lendária: um espadachim imbatível, um especialista em roubos vultosos, um fantasma que atravessa paredes. Metade da excêntrica cidade de Camorr acredita que ele seja um defensor dos pobres, enquanto o restante o considera apenas uma invencionice ridícula. Franzino, azarado no amor e sem nenhuma habilidade com a espada, Locke Lamora é o homem por trás do fabuloso Espinho, cujas façanhas alcançaram uma fama indesejada. Ele de fato rouba dos ricos (de quem mais valeria a pena roubar?), mas os pobres não veem nem a cor do dinheiro conquistado com os golpes, que vai todo para os bolsos de Locke e de seus comparsas: os Nobres Vigaristas. O único lar do astuto grupo é o submundo da antiquíssima Camorr, que começa a ser assolado por um misterioso assassino com poder de superar até mesmo o Espinho. Matando líderes de gangues, ele instaura uma guerra clandestina e ameaça mergulhar a cidade em um banho de sangue. Preso em uma armadilha sinistra, Locke e seus amigos terão sua lealdade e inteligência testadas ao máximo e precisarão lutar para sobreviver.
  37. [Game of Thrones - George R R Martin]() - R$
  38. The Forgotten Beasts of Eld (FANTASY MASTERWORKS) (English Edition) por Patricia A. McKillip (Autor) - R$ 37,63
  39. The Collected Works of Abraham Merritt: Science Fiction Novels & Fantastic Adventures: The Moon Pool, The Metal Monster, The Ship of Ishtar, Seven Footprints ... The People of the Pit… por Abraham Merritt (Autor) - eBook R$ 4.90
  40. Estação Perdido (Série Bas-Lag) por China Miéville (Autor),‎ José Baltazar Pereira Júnior (Tradutor),‎ Fábio Fernandes (Tradutor) - R$ 55,90 - e o resto da série Bas-Lag
    "Com seu novo romance, o colossal, intricado e visceral Estação Perdido, Miéville se desloca sem esforço entre aqueles que usam as ferramentas e armas do fantástico para definir e criar a ficção do século que está por vir." – Neil Gaiman
  41. Elric de Melniboné. A Traição do Imperador (Português) Capa dura – 3 nov 2014 por Michael Moorcock (Autor),‎ Ricardo Toula (Ilustrador),‎ Dario Chaves (Tradutor) - R$ 27,90 e o resto da série Elric e a série Hawkmoon
    A história de Elric de Melniboné, o imperador albino e feiticeiro, é uma das grandes criações de fantasia moderna. Um fraco e introspectivo escravo de sua espada, Stormbringer, ele é também um herói cujas aventuras e andanças sangrentas levam-no, inevitavelmente, a intervir na guerra entre as forças da lei e do caos. Um clássico do gênero espada e feitiçaria. Neste livro, Elric enfrentará a ameaça ao império de Melniboné e transitará entre o uso da magia e seus princípios morais, que o impedem de tomar algumas decisões. Além disso, sua amada Cymoril encontra-se em perigo, e ele não medirá esforços para salvá-la.
  42. Return to Quag Keep (English Edition) por Andre Norton (Autor),‎ Jean Rabe (Autor) - R$ 12,64 - Witch World - R$ 10,70 - São eBooks
  43. Swords Against Darkness (English Edition) por Robert E. Howard (Autor),‎ Andrew J. Offutt (Editor) - eBook R$ 7,90
  44. Gormenghast por Mervyn Peake (Autor),‎ Tad Williams (Introdução) - R$ 62,69
  45. The Color of Magic por Terry Pratchett (Autor) - R$ 32,10 - e o resto da série Discworld
  46. The Blue Star por Fletcher Pratt (Autor) - R$ 67,96
  47. O nome do vento (A Crônica do Matador do Rei Livro 1) por Patrick Rothfuss (Autor) - R$ 37,90 - e o resto da série do Matador de Rei
    Ninguém sabe ao certo quem é o herói ou o vilão desse fascinante universo criado por Patrick Rothfuss. Na realidade, essas duas figuras se concentram em Kote, um homem enigmático que se esconde sob a identidade de proprietário da hospedaria Marco do Percurso.
  48. The Broken Lands (Inglês) por Fred Saberhagen (Autor) - indisponível Changeling Earth indisponivel
  49. Homeland: The Legend of Drizzt, Book I: Bk. 1 por R.A. Salvatore (Autor) - R$ 23,96
  50. Mistborn: primeira era: Nascidos da bruma: O império final por Brandon Sanderson (Autor) - R$ 69,99 - e o resto da série Mistborn
    O que acontece se o herói da profecia falhar? Descubra em Mistborn!Certa vez, um herói apareceu para salvar o mundo. Um jovem com uma herança misteriosa, que desafiou corajosamente a escuridão que sufocava a Terra. Ele falhou...Desde então, há mil anos, o mundo é um deserto de cinzas e brumas, governado por um imperador imortal conhecido como Senhor Soberano. Todas as revoltas contra ele falharam miseravelmente.Nessa sociedade onde as pessoas são divididas em nobres e skaa classe social inferior , Kelsier, um ladrão bastardo, se torna a única pessoa a sobreviver e escapar da prisão brutal do Senhor Soberano, onde ele descobriu ter os poderes alomânticos de um Nascido da Bruma uma magia misteriosa e proibida. Agora, Kelsier planeja o seu ataque mais ousado: invadir o centro do palácio para descobrir o segredo do poder do Senhor Soberano e destruí-lo. Para ter sucesso, Kel vai depender também da determinação de uma heroína improvável, uma menina de rua que precisa aprender a confiar em novos amigos e dominar seus poderes.
  51. The Return of the Sorcerer: The Best of Clark Ashton Smith por Clark Ashton Smith (Autor) - eBook R$ 15,60
  52. Change the Sky and Other Stories (English Edition) por Margaret St Clair (Autor) eBook - R$ 9,62
  53. JRR Tolking - TUDO - R$
  54. Coming of the King (Spectra) Hardcover – March 1, 1989 by Nikolai Tolstoy (Author) - $ 0,49 - Amazon Gringa
  55. Tales of the Dying Earth: Including 'The Dying Earth,' 'The Eyes of the Overworld,' 'Cugel's Saga,' and 'Rhialto the Marvellous' por Jack Vance (Autor) - eBook R$ 37,90
  56. Valley of Dreams (Inglês) por Stanley Grauman Weinbaum (Autor) - R$ 26,47 The Worlds of If (Inglês) Capa Comum por Stanley Grauman Weinbaum (Autor) - R$ 26,47
  57. The Golgotha Dancers by Manly Wade Wellman, Fiction, Classics, Fantasy, Horror (Inglês) Capa Comum – 1 mai 2011 por Manly Wade Wellman (Autor) - R$ 32,83
  58. The Cosmic Express por Jack Williamson 1908-2006 (Autor) eBook - R$ 28,83 The Pygmy Planet R$ 25,67
  59. The Shadow of the Torturer: Urth: Book of the New Sun Book 1 (Gateway Essentials) por Gene Wolfe (Autor) eBook - R$ 13,59
submitted by Alpha_Unicorn to rpg_brasil [link] [comments]


2016.06.14 21:21 rafapras Parece que nenhum especialista que aparece nos jornais entende porra nenhuma de armas.

Gente dizendo que Ar-15 tem rajada e é totalmente automático ou seja você pode segurar o gatilho e ele dispara sem parar.Não a diferença chave da versão civil é justamente que ela não tem versão automática.
Alto poder destrutivo-Não cara ,só não,o 5.56x45/.223 foi escolhido como calibre do exército justamente por ser menos letal e por ser menor é também mais leve .A doutrina concluiu que em uma situação de guerra um ferido custa mais a máquina de guerra inimiga que um morto. Uma munição de 7.62x51 adotada pelo exército brasileiro,e padrão no FAL tem 2-3x mais energia do que 5.56. Alto poder destrutivo,você está falando de munição anti material,anti veículo que começa em 12,7x99 famigerado .50bmg.
A vasta maioria dos crimes são cometidos com pistolas,mais baratas,mais leves,mais fáceis de esconder.
Eu vi a seguinte manchete Facilidade de uso do Ar-15 acende alerta no Brasil e nos EUA Pelo amor né amigo?Um AK-47 tão fácil de usar quanto e provavelmente mais letal a curta distância,ou qualquer outra arma por falar nisso já que elas tem uma função e operação simples, é comum em guerrilhas a meio século e a facilidade de uso acendeu a luz de alerta agora? Eu não me incomodo com crítica,mas os ditos especialistas não sabem nada. Porra os ataques na Noruega em 2011 foram feitos com um mini-14 nada tático,rifle de caça.Não use a arma usada de bode espiatório. Ok,nos EUA deveria precisar de um psicotécnico para comprar armas?Isso é uma discussão que a gente pode ter,agora usar de informações erradas e conceitos falhos para culpar a arma não dá.
(grosso modo as dimensões são diâmetro do projétil por comprimento do estojo sem projétil)
submitted by rafapras to brasil [link] [comments]